Pesquisar este blog

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Treino de acentuação.


Justifique o acento das palavras abaixo conforme o modelo:

tênis: paroxítona terminada em is
sofá: oxítona terminada em a


agradável:
régua:
grátis:
táxi:
ímã:
última:
ausência:
Vênus:
éter:
fênix:
só:
lilás:
maré:
hipopótamo:
caráter:
parabéns:
má:
maracujá:
nós:
ciência:
pés:
retrós:
pólen:
Jacó:
inabalável:
júri:
vintém:
vírus:
próximo:



terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Orações Coordenadas - 9º Ano

1) Preencha os espaços em branco com as conjunções coordenativas adequadas ao contexto. A seguir, classifique as orações que as mesmas introduziram. 
a) Sei que não devo me preocupar tanto, .....................sempre perco o sono na véspera das provas. 
b) Tomávamos café toda tarde.......................conversávamos sobre banalidades. 
c) Eu sei tocar violão; meu irmão, ..........., sabe mais 
d) Não empreste ......................alugue seu apartamento a estranhos.

2) Analise com atenção o enunciado que segue: 

Sua súbita chegada causou um mal-estar. 


Podemos dizer que se constitui em um período? Por quê?


3) Identifique, nos períodos abaixo, as orações coordenadas sindéticas e classifique-as 

a) O estudante conseguiu o emprego porquanto tinha as condições necessárias 
b) Ora prefere sanduíches do McDonald's, ora só aprecia comida chinesa. 
c) Os moradores reclamaram do síndico; seria conveniente, pois, sua substituição. 
d) Não havia mais promoções no shopping, nem cartazes se viam afixados nas vitrines. 
e) O público lotou o estádio para o show, todavia a chuva atrapalhou o espetáculo. 
f) Ou você resolve o exercício, ou fica sem nota. 
g) Ele não resolveu o exercício, logo ficou sem nota. 
h) Resolva o exercício, porque você ficará sem nota. 
i) Ele preferia ficar sem nota a resolver o exercício. 
j) Ele ficou sem nota, mas não resolveu o exercício.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

O Lado Bom da Vida.

              O Lado Bom da Vida é um excelente livro e também um filme extremamente bem feito. Aborda questões como a sanidade mental, depressão, bipolaridade entre outras o que mais me chama a atenção é a forma com que o autor e roteiristas abordam as relações interpessoais.
            

 Trabalhei o filme com os meus alunos de uma forma diferente, que em princípio achei que não daria certo, mas minhas expectativas não se confirmaram. Eu passei o filme na sala de vídeo e ia parando em momentos oportunos e chamava-os para uma breve discussão. Fiz três pausas. No momento em que Pat tem conversa com seu terapeuta e revela os motivos que o levaram até lá, Quando Patrício Solatano se abre com Pat e quando Pat se aproxima de Nick após o resultado da dança. O que foi mais interessante nesta atividade foi a participação madura dos alunos, pois em sua maioria, demonstraram interesse nos assuntos discutidos  e manifestaram angústia, compaixão, revolta entre outros sentimentos.

           
          Ao final da etapa de discussão e exibição do filme trabalhamos a parte escrita com as seguintes questões. 

1)      Em qual dia da semana a maioria dos fatos acontece? Por quê?
2)      Descreva o personagem Pat Solatano Jr. antes de sua separação? O que aconteceu com ele depois de ver sua mulher o traindo? Quais foram as transformações físicas e mentais que ocorreram com ele?
3)      Por que Pat se exercitava tanto?
4)      O que Pat atira pela janela? Por quê?
5)      Patrício Solatano era um maníaco. Escreva algumas de suas manias e diga o que isto afetava a vida de seus familiares.
6)      Ao ir ao consultório de Cliff Patel Pat tem sua paciência testada. O que Cliff usa para “mexer” com Pat? Por que isto causava tanta ira nele?
7)      Patrício Solatano tinha um “caso” com o Philadelphia Eagles. Escreva como era esta relação e qual era o papel de seu filho neste relacionamento.
8)      Como Pat e Tiffany se conhecem? Descreva como e onde aconteceu?
9)      Descreva as características psicológicas de Tiffany.
10)   Qual foi o favor que Tiffany faria para Pat? O que ela pediu em troca?
11)   Este favor que Tiffany ofereceu realmente se realizou? O que ocorreu?
12)   O que Veronica e Ronnie levaram para a apresentação de dança? Qual reação isto causou em Pat e na Tiffany?
13)   Por que o amigo de Pat saiu do sanatório?
14)   Por que Pat e Tiffany ficaram entusiasmados com a nota 5,0 que tiraram no concurso de dança do Hotel Benjamin Franklin? O que estava em jogo?
15)   Ao final do filme aparece uma descrição do que ocorreria com os personagens principais. Como seria a vida de Pat, Tiffany e Patricio? 

quarta-feira, 22 de junho de 2016

“Mineirinho”, de Clarice Lispector

           "É, suponho que é em mim, como um dos representantes de nós, que devo procurar por que esta doendo a morte de um facínora. E por que é que mais me adianta contar os treze tiros que mataram Mineirinho do que os seus crimes. Perguntei a minha cozinheira o que pensava sobre o assunto. Vi no seu rosto a pequena convulsão de um conflito, o mal-estar de não entender o que se sente, o de precisar trair sensações contraditórias por não saber como harmonizá-las. Fatos irredutíveis, mas revolta irredutível também, a violenta compaixão da revolta. Sentir-se dividido na própria perplexidade diante de não poder esquecer que Mineirinho era perigoso e já matara demais; e no entanto nós o queríamos vivo. A cozinheira se fechou um pouco, vendo-me talvez como a justiça que se vinga. Com alguma raiva de mim, que estava mexendo na sua alma, respondeu fria: 'O que eu sinto não serve para se dizer. Quem não sabe que Mineirinho era criminoso? Mas tenho certeza de que ele se salvou e já entrou no Céu.' Respondi-lhe que 'mais do que muita gente que não matou'.
            Por que? No entanto a primeira lei, a que protege corpo e vida insubstituíveis, é a de que não matarás. Ela é a minha maior garantia: assim não me matam, porque eu não quero morrer, e assim não me deixam matar, porque ter matado será a escuridão para mim.
           Esta é a lei. Mas há alguma coisa que, se me fez ouvir o primeiro tiro com um alívio de segurança, no terceiro me deixa alerta, no quarto desassossegada, o quinto e o sexto me cobrem de vergonha, o sétimo e o oitavo eu ouço com o coração batendo de horror, no nono e no décimo minha boca está trêmula, no décimo primeiro digo em espanto o nome de Deus, no décimo segundo chamo meu irmão. O décimo terceiro tiro me assassina - porquê eu sou o outro. Porque eu quero ser o outro.
            Essa justiça que vela meu sono, eu a repudio, humilhada por precisar dela. Enquanto isso durmo e falsamente me salvo. Nós, os sonsos essenciais. Para que minha casa funcione, exijo de mim como primeiro dever que eu seja sonsa, que eu não exerça a minha revolta e o meu amor, guardados. Se eu não for sonsa, minha casa estremece. Eu devo ter esquecido que embaixo da casa está o terreno, o chão onde nova casa poderia ser erguida. Enquanto isso dormimos e falsamente nos salvamos. Até que treze tiros nos acordem, e com horror digo tarde demais - vinte e oito anos depois que Mineirinho nasceu - que ao homem acuado, que a esse não nos matem. Porque sei que ele é o meu erro. E de uma vida inteira, por Deus, o que se salva às vezes é apenas o erro, e eu sei que não nos salvaremos enquanto nosso erro não nos for preciso. Meu erro é o meu espelho, onde vejo o que em silêncio eu fiz de um homem. Meu erro é o modo como vi a vida se abrir na sua carne e me espantei, e vi a matéria de vida, placenta e sangue, a lama viva. Em Mineirinho se rebentou o meu modo de viver. Como não amá-lo, se ele viveu até o décimo terceiro tiro o que eu dormia? Sua assustada violência. Sua violência inocente - não nas conseqüências, mas em si inocente como a de um filho de quem o pai não tomou conta. Tudo o que nele foi violência é em nós furtivo, e um evita o olhar do outro para não corrermos o risco de nos entendermos. Para que a casa não estremeça. A violência rebentada em Mineirinho que só outra mão de homem, a mão da esperança, pousando sobre sua cabeça aturdida e doente, poderia aplacar e fazer com que seus olhos surpreendidos se erguessem e enfim se enchessem de lágrimas. Só depois que um homem é encontrado inerte no chão, sem o gorro e sem os sapatos, vejo que esqueci de lhe ter dito: também eu.
Eu não quero esta casa. Quero uma justiça que tivesse dado chance a uma coisa pura e cheia de desamparo e Mineirinho - essa coisa que move montanhas e é a mesma que o faz gostar 'feito doido' de uma mulher, e a mesma que o levou a passar por porta tão estreita que dilacera a nudez; é uma coisa que em nós é tão intensa e límpida como uma grama perigosa de radium, essa coisa é um grão de vida que se for pisado se transforma em algo ameaçador - em amor pisado; essa coisa, que em Mineirinho se tornou punhal, é a mesma que em mim faz com que eu dê água a outro homem, não porque eu tenha água, mas porque, também eu, sei o que é sede; e também eu, não me perdi, experimentei a perdição. A justiça prévia, essa não me envergonharia. Já era tempo de, com ironia ou não, sermos mais divinos; se adivinhamos o que seria a bondade de Deus é porquê adivinhamos em nós a bondade, aquela que vê o homem antes de ele ser um doente do crime . Continuo, porém, esperando que Deus seja o pai, quando sei que um homem pode ser o pai de outro homem. E continuo a morar na casa fraca. Essa casa, cuja porta protetora eu tranco tão bem, essa casa não resistirá à primeira ventania que fará voar pelos ares uma porta trancada. Mas ela está de pé, e Mineirinho viveu por mim a raiva, enquanto eu tive calma. Foi fuzilado na sua força desorientada, enquanto um deus fabricado no último instante abençoa às pressas a minha maldade organizada e a minha justiça estupidificada: o que sustenta as paredes de minha casa é a certeza de que sempre me justificarei, meus amigos não me justificarão, mas meus inimigos que são os meus cúmplices, esses me cumprimentarão; o que me sustenta é saber que sempre fabricarei um deus à imagem do que eu precisar para dormir tranquila, e que os outros furtivamente fingirão que estamos todos certos e que nada há a fazer. Tudo isso, sim, pois somos os sonsos essenciais, baluartes de alguma coisa. E sobretudo procurar não entender.
             Porque quem entende desorganiza. Há alguma coisa em nós que desorganizaria tudo - uma coisa que entende. Essa coisa que fica muda diante do homem sem o gorro e sem os sapatos, e para tê-los ele roubou e matou; e fica muda diante do S. Jorge de ouro e diamantes. Essa alguma coisa muita séria em mim fica ainda mais séria diante do homem metralhado. Essa alguma coisa é o assassino em mim? Não, é o desespero em nós. Feito doidos, nós o conhecemos, a esse homem morto onde a grama de rádium se incendiara. Mas só feito doidos, e não como sonsos, o conhecemos. É como doido que entro pela vida que tantas vezes não tem porta, e como doido compreendo o que é perigoso compreender, e como doido é que sinto o amor profundo, aquele que se confirma quando vejo que o rádium se irradiará de qualquer modo, se não for pela confiança, pela esperança e pelo amor, então miseravelmente pela doente coragem de destruição. Se eu não fosse doido, eu seria oitocentos policiais com oitocentas metralhadoras, e esta seria a minha honorabilidade.
            Até que viesse uma justiça um pouco mais doida. Uma que levasse em conta que todos temos que falar por um homem que se desesperou porque neste a fala humana já falhou, ele já é tão mudo que só o bruto grito desarticulado serve de sinalização. Uma justiça prévia que se lembrasse de que nossa grande luta é a do medo, e que um homem que mata muito é porque teve muito medo. Sobretudo uma justiça que se olhasse a si própria, e que visse que nós todos, lama viva, somos escuros, e por isso nem mesmo a maldade de um homem pode ser entregue à maldade de outro homem: para que este não possa cometer livre e aprovadamente um crime de fuzilamento. Uma justiça que não se esqueça de que nós todos somos perigosos, e que na hora em que o justiceiro mata, ele não está mais nos protegendo nem querendo eliminar um criminoso, ele está cometendo o seu crime particular, um longamente guardado. Na hora de matar um criminoso - nesse instante está sendo morto um inocente. Não, não é que eu queira o sublime, nem as coisas que foram se tornando as palavras que me fazem dormir tranquila, mistura de perdão, de caridade vaga, nós que nos refugiamos no abstrato.

          O que eu quero é muito mais áspero e mais difícil: quero o terreno".


Atividade
1) Explique a distinção entre as classes sociais implícita no texto.
2) Há religiosidade presente no texto de Clarice Lispector. Explique esta afirmação.
3) Explique qual teria sido a intenção da autora ao descrever os tiros que alvejaram Mineirinho.
4) Por que a autora diz que deve ser sonsa?
5) Explique o significado da palavra casa tal qual a autora a utiliza.
6) Leia.

Há alguma coisa em nós que desorganizaria tudo — uma coisa que entende. Essa coisa que fica muda diante do homem sem o gorro e sem os sapatos

O que seria esta coisa? Justifique.
7) A autora faz referências a diferentes tipos de justiça. Que justiças são essas? Justifique.
8) Explique o último período do conto.

Angustia - Anton Tchekhov

(1886). A quem confiar minha tristeza?

               Crepúsculo vespertino. Uma neve úmida, em grandes flocos, remoinha preguiçosa junto aos lampiões recém-acesos, cobrindo com uma camada fina e macia os telhados das casas, os dorsos dos cavalos, os ombros das pessoas, os chapéus. O cocheiro Iona Potapov está completamente branco, como um fantasma. Encolhido o mais que pode se encolher um corpo vivo, está sentado na boleia, sem se mover. Tem-se a impressão de que, mesmo que caísse sobre ele um montão de neve, não consideraria necessário sacudi-la... Seu rocim está igualmente branco e imóvel. Graças a sua imobilidade, à angulosidade das formas e à perpendicularidade de estaca de suas patas, parece mesmo, de perto, um cavalinho de pão-de-ló de um copeque. Seguramente, ele está imerso em meditação
                Não pode deixar de meditar quem foi arrancado do arado, da paisagem cinzenta e familiar, e atirado nessa voragem, repleta de luzes monstruosas, de um barulho incessante e de gente correndo...
                Faz muito tempo que Iona e seu rocim não se mexem do lugar. Saíram de casa ainda antes do jantar, e, até agora, não apareceu trabalho. Mas, eis que a treva noturna desce sobre a cidade. A palidez das luzes dos lampiões cede lugar a cores vivas e a confusão das ruas torna-se mais barulhenta.
              - Cocheiro, para a Víborgskaia! - ouve Iona. - Cocheiro!
              Estremece e vê, através das pestanas cobertas de neve, um militar de capote com capuz. -                     Para a Viborgskaia! - repete o militar. - Está dormindo? Para a Víborgskaia!
              Em sinal de consentimento, Iona puxa as rédeas, e a neve cai em camadas de seus ombros e do dorso do cavalo... O militar senta-se no trenó. O cocheiro faz ruído com os lábios, estende o pescoço à feição de cisne, ergue-se um pouco e agita o chicote, mais por hábito que por necessidade. O cavalinho estica também o pescoço, entorta as pernas, que parecem estacas, e desloca-se com indecisão...
              - Onde vai, demônio?! - ouve, logo depois, Iona exclamações partidas da massa escura de gente, que se desloca em ambos os sentidos. - Para onde te empurram os diabos? Mantenha-se à direita!
             - Não sabe dirigir! Olha a direita - zanga-se o militar.
              O cocheiro de uma carruagem solta impropérios; um transeunte, que atravessou a rua correndo e chocou-se com o ombro contra a cara do rocim, lança um olhar rancoroso e sacode a neve da manga. Na boleia, Iona parece sentado sobre alfinetes e aponta com os cotovelos para os lados; seus olhos tontos perpassam pelas coisas, como se não compreendesse onde se encontra e o que está fazendo ali.
             - Que gente canalha! - graceja o militar. - Eles se esforçam em chocar-se contra você ou cair embaixo do cavalo.
             Combinaram isso.
             Iona volta-se para o passageiro e move os lábios...
             Sem dúvida, quer dizer algo, mas apenas uns sons vagos lhe saem da garganta.
            - O quê? - pergunta o militar.
             Iona torce a boca num sorriso, faz um esforço com a garganta e cicia:
             - Pois é, meu senhor, assim é... perdi um filho esta semana.
             - Hum!... De que foi que morreu?
             Iona volta todo o corpo na direção do passageiro e diz:
             - Quem é que pode saber! Acho que foi de febre... Passou três dias no hospital e morreu... Deus quis.
            - Dá a volta, diabo! - ressoa nas trevas uma voz. - Não está mais enxergando, cachorro velho?              É com os olhos que tem que olhar!
            - Anda, anda... - diz o passageiro. - Assim, não chegamos nem amanhã. Mais depressa!
            O cocheiro estica novamente o pescoço, ergue-se um pouco e agita o chicote, com uma graciosidade pesada. Depois, torna a olhar algumas vezes para o passageiro, mas este fechou os olhos e parece pouco disposto a ouvir. Depois de deixá-lo na Víborgskaia, pára diante de uma taverna, encurva-se sobre a boleia e fica novamente imóvel... A neve molhada torna a pintá-lo de branco, juntamente com o rocim. Decorre uma hora... outra...
             Três jovens passam pela calçada, fazendo muito barulho com as galochas e trocando impropérios: dois deles são altos e magros, o terceiro é pequeno e corcunda.
            - Cocheiro, para a Ponte Politzéiski! - grita o corcunda, com voz surda. - Damos vinte copeques... os três!
             Iona sacode as rédeas e faz ruído com os lábios. Vinte copeques são um preço inadequado, mas, agora, pouco lhe importa o preço... Tanto faz seja um rublo ou cinco copeques, contanto que haja passageiros... Empurrando-se e soltando palavrões, os jovens acercam-se do trenó e sobem para os assentos, os três ao mesmo tempo. Começam a discutir a questão: dois deles irão sentados, e quem vai ficar de pé?
             Depois de uma longa troca de insultos, manhas e recriminações, chegam à conclusão de que o corcunda é quem deve ficar de pé, por ser o menor.
             - Bem, faz o cavalo andar! - grita com voz trêmula o corcunda, ajeitando-se de pé e soprando no pescoço de Iona. - Dá nele! Que chapéu você tem, irmão! Não se encontra um pior em toda
Petersburgo...
             - Hi-i... hi-i... - ri Iona. - Assim é...
             - Ora, você assim é, bate no cavalo! Vai andar desse jeito o tempo todo? Sim? E se eu te torcer o pescoço?
            - Estou com a cabeça estalando... - diz um dos moços compridos. - Ontem, em casa dos Dukmassov, eu e Vaska(2) tornamos quatro garrafas de conhaque.
            Não compreendo para que mentir! - irrita-se o outro moço comprido. - Mente como um animal.
            - Que Deus me castigue, é verdade...
            - Tão verdade como um piolho tossindo.
            - Hi-i! - ri Iona entre dentes. - Que senhores alegres!
            - Irra, com todos os diabos!... - indigna-se o corcunda. - Você vai andar ou não, velha peste? É assim que se anda? Estala o chicote no cavalo! Eh, diabo! Eh! Dá nele!
Iona sente, atrás de si, o corpo agitado e a voz trêmula do corcunda. Ouve os insultos que lhe são dirigidos, vê gente, e o sentimento de solidão começa, pouco a pouco, a deixar-lhe o peito. O corcunda continua os impropérios e, por fim, engasga com um insulto rebuscado, descomunal, e desanda a tossir. Os moços compridos começam a falar de uma certa Nadiejda Pietrovna. Iona volta a cabeça para olhá-los. Aproveitando uma pausa curta, olha mais uma vez e balbucia:
             - Esta semana... assim, perdi meu filho!
             - Todos vamos morrer. - suspira o corcunda, enxugando os lábios, após o acesso de tosse. - Bem, bate nele, bate nele! Minha gente, decididamente, não posso continuar andando assim! Esta corrida não acaba mais?
            - Você deve animá-lo um pouco... umas pancadas no pescoço!
            - Está ouvindo, velha peste? Vou te moer o pescoço de pancada! Não se pode fazer cerimônia com gente como você, senão é melhor andar a pé! Está ouvindo, Zmiéi Gorínitch(3)? Ou você não se importa com o que a gente diz?
           E Iona ouve, mais que sente, os sons de uma pancada no pescoço.
          - Hi-i... - ri ele. - Senhores alegres... que Deus lhes dê saúde!
          - Cocheiro, você é casado? - pergunta um dos compridos.
           Eu? Hi-i... que senhores alegres! Agora, só tenho uma mulher, a terra fria... Hi-ho-ho... O túmulo, quer dizer!... Meu filho morreu, e eu continuo vivo... Coisa esquisita, a morte errou de porta... Em vez de vir me buscar, foi procurar o filho...
          E Iona volta-se, para contar como lhe morreu o filho, mas, nesse momento, o corcunda solta um suspiro de alívio e declara que, graças a Deus, chegaram ao destino. Tendo recebido vinte copeques, Iona fica por muito tempo olhando os pândegos, que vão desaparecendo no escuro saguão.          Está novamente só e, de novo, o silêncio desce sobre ele... A angústia que amainara por algum tempo torna a aparecer, inflando-lhe o peito com redobrada força. Os olhos de Iona correm, inquietos e sofredores, pela multidão que se agita de ambos os lados da rua: não haverá, entre esses milhares de pessoas, uma ao menos que possa ouvi-lo? Mas a multidão corre, sem reparar nele, nem na sua angústia... Uma angústia imensa, que não conhece fronteiras. Dá a impressão de que, se o peito de Iona estourasse e dele fluísse para fora aquela angústia, daria para inundar o mundo e, no entanto, não se pode vê-la. Conseguiu caber numa casca tão insignificante, que não se pode percebê-la mesmo de dia, com muita luz...
            Iona vê o zelador de uma casa, carregando um embrulho, e resolve travar conversa.
           - Que horas são, meu caro? - pergunta.
           - Mais de nove... Por que você parou aqui? Passa!
           Iona afasta-se alguns passos, torce o corpo e entrega-se à angústia... Considera já inútil dirigir-se às pessoas. Mas, decorridos menos de cinco minutos, endireita-se, sacode a cabeça, como se houvesse sentido uma dor aguda e puxa as rédeas... Não pode mais.
          "Para casa", pensa, "para casa".
           E o cavalinho, como se tivesse compreendido seu pensamento, começa a trotar ligeiramente.                Uma hora e meia depois, Iona está sentado junto ao fogão grande e sujo. Há gente roncando em cima do fogão, no chão e sobre os bancos. O ar é abafado, sufocante... Iona olha para os que dormem, coça a cabeça e lamenta haver voltado tão cedo para casa...
          "Não ganhei nem para a aveia", pensa. "Daí essa angústia. Uma pessoa que conhece o ofício... que está bem alimentada e tem o cavalo bem nutrido também, está sempre calma..."
           Num dos cantos, levanta-se um jovem cocheiro, funga, sonolento, e arrasta-se para o balde d'água.
          - Ficou com sede? - pergunta Iona.
         - Com sede, sim!
         - Bem... Que lhe faça proveito... Pois é, irmão, e eu perdi um filho... Está ouvindo? Foi esta semana, no hospital... Que coisa!
          Iona procura ver o efeito que causaram suas palavras, mas não vê nada. O jovem se cobriu até a cabeça e já está dormindo. O velho suspira e se coça... Assim como o jovem quis beber, assim ele quer falar. Vai fazer uma semana que lhe morreu o filho e ele ainda não conversou direito com alguém sobre aquilo... É preciso falar com método, lentamente...
           É preciso contar como o filho adoeceu, como padeceu, o que disse antes de morrer e como morreu... É preciso descrever o enterro e a ida ao hospital, para buscar a roupa do defunto. Na aldeia, ficou a filha Aníssia... É preciso falar sobre ela também... De quantas coisas mais poderia falar agora?            O ouvinte deve soltar exclamações, suspirar, lamentar... E é ainda melhor falar com mulheres.              São umas bobas, mas desandam a chorar depois de duas palavras.
          "É bom ir ver o cavalo", pensa Iona. "Sempre há tempo para dormir..."
           Veste-se e vai para a cocheira, onde está seu cavalo. Iona pensa sobre a aveia, o feno, o tempo... Estando sozinho, não pode pensar no filho... Pode-se falar sobre ele com alguém, mas pensar nele sozinho, desenhar mentalmente sua imagem, dá um medo insuportável...
            Está mastigando? - pergunta Iona ao cavalo, vendo seus olhos brilhantes. - Ora, mastiga, mastiga...
          Se não ganhamos para a aveia, vamos comer feno... Sim... Já estou velho para trabalhar de cocheiro... O filho é que devia trabalhar, não eu... Era um cocheiro de verdade... Só faltou viver mais...
          Iona permanece algum tempo em silêncio e prossegue:
          - Assim é, irmão, minha egüinha... Não existe mais Kuzmá Iônitch... Foi-se para o outro mundo...
          Morreu assim, por nada... Agora, vamos dizer, você tem um potrinho, que é teu filho... E, de repente, vamos dizer, esse mesmo potrinho vai para o outro mundo... Dá pena, não é verdade?
          O cavalinho vai mastigando, escuta e sopra na mão de seu amo... Iona anima-se e conta-lhe tudo...

(1). Versículo de um canto da Igreja Russa.
(2). Diminutivo de Vassíli.
(3). Nas lendas russas, um dragão que repreeenta o mal. No entanto, o nome Gorínitch dá também ideia de tristeza, aflição

Atividade

1) Justifique o título deste conto.
2) Descreva Iona relatando o maior número possível de características.
3) Relacione as características do ambiente com a Angústia de Iona.
4) Explique o que simboliza o filho perdido para a vida de Iona justificando com argumentos apresentados no conto.
5) “na boleia, Iona parece sentado sobre alfinetes”.
Cite motivos pelos quais o narrador faz tal comentário.
6) Defina com palavras os sentimentos de Iona. Justifique cada palavra que você escolheu.
7) É possível perceber uma clara diferenciação entre as classes sociais no conto. Explique esta afirmação e comprove sua resposta com passagens do texto.
8) Qual era a “sede” de Iona?